quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Um ato criminoso contra o Papa


Publicado um livro de documentos particulares do Papa, violando a Constituição italiana

Um jornalista italiano, Gianluigi Nuzzi, publicou um livro escandaloso intitulado “Sua Santidade”. O livro contém um documentos privados do Papa e que foram adquiridos de maneira fraudulenta. O padre Lombardi, porta-voz do Vaticano disse que foi um ato criminoso que fere a liberdade de correspondência e viola o artigo 15 da Constituição italiana. (fonte: 19-05-2012, Gaudium Press). Disse o porta-voz que:

“A Santa Sé continuará a aprofundar as diversas implicações destes atos de violação da privacidade e da dignidade do Santo Padre” e “dará os passos oportunos, para que os atores do furto respondam por ele diante da justiça”.

“A nova publicação de documentos da Santa Sé e de documentos privados do Santo Padre não se apresenta mais como uma discutível – e objetivamente difamatória – iniciativa jornalística, mas assume claramente o caráter de um ato criminoso”. “O Santo Padre, mas também diversos de seus colaboradores e dos remetentes de mensagens a ele dirigidas, tiveram violados os seus direitos pessoais de privacidade e de liberdade de correspondência”.

Este ato grotesco e criminoso contra o Papa é mais uma tentativa de ganhar dinheiro e de expor o Papa e a Igreja católica ao ridículo; algo que infelizmente tem se tornado comum por parte dos seus inimigos. Pe. Lombardi explica que há alguns meses foi encarregada pelo Papa uma comissão sob a direção de um cardeal espanhol, Julian Herranz, especialista em direito, para esclarecer a fuga de documentos reservados dos escritórios. “Em seguida à recente divulgação em televisão, nos jornais e em outros meios de comunicação de documentos cobertos pelo segredo de escritório, o Santo Padre dispôs a constituição de uma Comissão Cardinalícia, para uma investigação respeitável que faça plena luz sobre tais episódios”, lê-se na notificação da Secretaria de Estado divulgada pela Sala de Imprensa da Santa Sé no último dia 24 de abril. (AA/JS)

A Igreja não pode mesmo se calar diante desse absurdo e desrespeito com a privacidade do Papa; pois um ato dessa natureza fere não só ao Santo Padre mas a cada um de nós seus filhos espirituais. Felizmente as medidas judiciais já foram tomadas pelo Vaticano; cabe a nós católicos repudiarmos em ato com um desagravo à pessoa do Vigário de Cristo na Terra. Ferir o Papa é ferir Jesus Cristo e toda a Igreja católica.

Fonte: Blog Prof. Felipe Aquino

0 comentários:

Postar um comentário